Destaques

Febre Amarela

Clique aqui para visualizar a lista de municípios com recomendação para a vacina da Febre Amarela

O que é e como se transmite?

Febre Amarela é uma doença febril aguda, silvestre ou urbana, endêmica ou epidêmica, transmitida pela picada dos mosquitos Aedes Aegypti (Urbana e Rural) e Haemogogus (Selvática), infectados com o vírus (Arbovirus) da Febre Amarela.

Sintomas da Doença

A maior parte dos casos são assintomáticos  ou leves, parecidos com um quadro gripal (febre, mal estar, prostração, artralgia, cefaleia etc..), que após 3-5 dias evoluem bem em cerca de 85% dos casos.

As formas graves, cerca de 15% evoluem com ictericia, fenômenos hemorrágicos (vomito negro) insuficiência hepática e renal e coma. A mortalidade nestes casos chega a 50%.

Vacina contra Febre Amarela

Vacina de virus vivos atenuado, com alta eficácia dando 98 à  99% de proteção.

A vacina contra febre amarela foi uma das etapas decisivas para o controle da febre amarela, já que permitiu a imunização em massa e a proteção de milhões de indivíduos que habitam ou penetram  áreas onde  o controle do mosquito e dos reservatórios de vírus (macacos) é e será por muito tempo, meta impossível de atingir (febre amarela selvática)

A vacina atualmente é dada em dose única. A OMS, a partir de Abril de 2017, considerou que uma dose da vacina é suficiente para dar proteção contra Febre Amarela.

Eventos adversos pós vacinais

Dor de cabeça, febre e dor muscular pode ocorrer entre 5-10 dias após a vacina em 2 a 5% dos casos.

Eventos adversos graves (0,2 em 100.000 vacinados) como: reações alérgica ao ovo, doenças neurotrópicas (encefalite, meningite, doenças autoimunes com envolvimento do sistema nervoso central e periférico) e doença visceroptótica são raros, porém podem ocorrer principalmente  quando se trata de primeira dose em idosos.

Indicações para vacinação

  • Indivíduos residentes em áreas com recomendação de vacinação (mesmo que temporária) e indivíduos que para lá se desloquem:
  • Vacinar todos entre 9 meses e 59 anos, desde que sem contraindicações.
  • Indivíduos com viagens para países que exigem o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), segundo o regulamento sanitário internacional:
  • Vacinar todos a partir de 9 meses, desde que sem contraindicações.

Situações a serem avaliadas entre risco e beneficio da vacinação em casos de aréa de circulação do virus

  • Gestantes
  • Nutrizes amamentando bebês menores de 6 meses ( se vacinar, deve se interromper a amamentação por 10 dias caso o desmame não prejudique o bebê )
  • Bebês entre 6-8 meses
  • Indivíduos com 60 anos ou mais
  • Infectados pelo vírus HIV

Contra indicação absoluta de vacinação

  • Bebês com menos de 6 meses
  • Imunodeprimidos ( Por doença ou tratamento)
  • Alergia grave ao ovo de galinha
  • Indivíduos sem timo